terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Calendário do Advento em forma de poesia - Dia 13


Poema de Natal

David escreveu um cancioneiro em surdina,
à beira-rio, quando tudo principiava
com a neblina e sabia a lenha e a tangerinas.

David sabia que de mãos dadas é possível
acender de novo a consoada do mundo
e ver num sótão num porão num intruso
o que há em nós de mais profundo.

David deixou um último poema para que fosse
o primeiro e assim desenhou na paisagem
uma vigília sob o céu do futuro:

vamos ver se vai ser desta vez que ele nasce
entre ciprestes sem a sombra de um muro.


Dezembro de 2011

[Sandra Costa]

Nota: Poema dedicado a David Mourão-Ferreira, abusando das suas palavras do Cancioneiro de Natal.


2 comentários:

  1. Particularmente belo, este teu poema...

    ResponderEliminar
  2. Pois... Abusei das palavras de David e essas é que são belas...

    ResponderEliminar